Aritana e a Pena da Harpia

Ajude o jovem Aritana a encontrar a Pena da Harpia e salvar o Cacique de sua tribo!

Aritana e a Pena da Harpia é um jogo de plataforma brasileiro da Duaik, lançado em 2014 para PC e em 2015 para Xbox One. Foi o jogo brasileiro com maior destaque em 2014, faturando diversos prêmios.

Introdução a Aritana e a Pena da Harpia

A história é baseada na cultura indígena nacional. Você joga com Aritana, um jovem índio da tribo Tabata. O Cacique de sua tribo está gravemente doente, um poderoso espírito da floresta se apossou de seu corpo e para desfazer o feitiço, o Pajé precisa de um ingrediente que está faltando, a Pena da Harpia conhecida por Uiruuetê. Contra a vontade do pajé, Aritana sai em busca da pena sagrada que poderá ser encontrada no alto da montanha mais alta, dentro das terras do terrível Mapinguari.

Quando vi o primeiro anuncio de Aritana para o Xbox One, achei bem legal os gráficos e por ser um jogo de plataforma (estilo que adoro) fiquei tentado. Confesso que após a compra (R$ 19,90) demorei bastante tempo para jogar, mas eu tinha que dar uma chance ao jogo, é uma produção nacional baseada na cultura indígena e para o XOne ainda. Separei o tempo e fui jogar!

Frustração

Ao iniciar o jogo, a animação de abertura é bem interessante, isso me deixou animado. Esperava ser um jogo comum de plataforma onde eu não teria que “aprender a jogar”, só me divertir, mas não foi bem isso que aconteceu… Sabe aquele momento que você inicia o jogo, tenta pular e não consegue? Pois é. A na maioria dos jogos de plataforma, o botão [A] pula, mas no Aritana não, lá é o [RT] (gatilho direito). Fiquei frustrado. Sei que é uma coisa “boba”, mas foi contra o esperado, achei estranho mas decidi continuar. Enfim, tem que dar uma segunda chance né? Logo a frente peguei as habilidades de ataque e elas usam o Stick direito. Não tenho coordenação motora pra isso. O Stick direito eu raramente uso em jogos, normalmente para movimentar câmera.

Após pouco tempo de jogo e dezenas de mortes resolvi parar por um tempo. Fiquei bastante frustrado, não por achar difícil “o que” tem que fazer, mas “como fazer”. Os controles definitivamente não me agradaram. Tive uma pausa (durou dois dias essa pausa). Porque fazer isso? Sem entender ainda voltei ao jogo, agora determinado não só a entender a jogabilidade fora do padrão e concluir o jogo. Devido a jogabilidade eu perdi varias vidas em locais que seriam muito simples mas a frustração foi tipo Flappy Bird (você fica com raiva e quer jogar até vencer). É um pouco difícil de se acostumar a jogar, mas depois que se acostuma até que fica aceitável (não bom, aceitável).

Recuperando a confiança

Depois de algum tempo no jogo você percebe o porque da escolha dos desenvolvedores por estes comandos. Os ataques vão em direções (cima, baixo, esquerda e direita), sendo assim o Stick direito seria ideal, porem, se o pulo fosse no botão [A], provavelmente iria ficar mais difícil já que o dedo usado para controlar ambos é o mesmo (dedão direito). Bom, ok. Entendi e a frustração inicial “passou”. Com o “aprender” dos controles, você também “morre menos”. Quando percebi já estava a terminar o jogo, depois que “peguei as manhas” foi muito fluido e divertido o gameplay.

Tempo de jogo e Fator Replay

Aritana apesar de ser um jogo extremamente curto, tendo 9 fases e 3 chefes + mapa bônus, tem um Fator Replay bem legal. Depois que se termina o game (principalmente para os conquistadores de gamerscore), você corre atrás de todas Habilidades e Muiraquitãs. Para terminar o jogo no normal, conseguindo 100% demorei cerca de 6 a 8h.

No jogo tem um sistema de troca de habilidades (esquema de posturas) entre força e agilidade que é bem interessante. Em seu modo “normal” não influencia no gameplay mas no modo difícil tem um diferencial grande na dificuldade, pois o swap fica manual (troca entre força e agilidade). Dessa vez eu desisti de fazer todas as conquistas, mas um dia eu volto e termino!

Tendo em vista que é um jogo indie (em parceira com o ID@Xbox) o tempo de gameplay e seu preço é bem em conta, vale o investimento.

Gráficos e Sons

Como já havia comentado o visual me agradou bastante, bem colorido, efeitos bonitos. Os sons são bem legais, o jogo flui sem você perceber, isso é bom, nada gera incomodo. Quando parar para ver os detalhes é de certa forma encantador.

Chefes

Durante a busca pela Pena da Harpia você encontra Mapinguari, uma criatura coberta de um longo pelo e com uma boca na barriga, e é isso. A luta contra o Mapinguari a principio pode parecer desafiadora, mas quando você entende o que acontece vê que é bastante repetitivo. A cada encontro ele faz algo novo, mas nada que crie um desafio. Gravei o vídeo dos três encontros para se comparar.

Primeiro encontro

Segundo encontro

Encontro final

Existe um movimento de defesa (stick direito para baixo) que não foi usado, pois sem ele se adquire uma conquista no vídeo.

Conclusão

Apesar de frustrado, intrigado e bravo, Aritana é um bom jogo e tem tudo pra te fazer passar horas na frente do seu PC / Xbox One se divertindo (ou sofrendo) de montão. Para quem gosta de jogos difíceis, é a pedida ideal.

Vale a pena o investimento!

Aritana está disponível somente em mídia digital para Xbox One, você pode comprar pelo seu console ou no site da Xbox Live.

Xbox One – R$ 19,00*

Para PC/MAC existe as duas versões, física e digital (steam).

PC/MAC – Mídia Física – R$ 39,90*
PC/MAC – Mídia Digital (Steam) – R$ 25,99*


* Valores consultados em 20 dezembro, 2015 às 22:42.

Aritana e a Pena da Harpia - Capa
Trailer
Xbox One, PC
Casual / Família, Puzzle, Plataforma
Tempo de gameplay: 6h
Dev: Duaik Entretenimento
Lançamento: Setembro de 2015
Classificação: LIVRE